domingo, 24 de abril de 2016

Medula Óssea: O que é?


A Medula Óssea é um tecido gelatinoso que preenche a cavidade interna de vários ossos, responsável pela fabricação das hemácias (glóbulos vermelhos),  dos leucócitos (glóbulos brancos) e das plaquetas.
Os glóbulos vermelhos são os responsáveis por transportar o oxigênio dos pulmões até as células do organismo e o gás carbônico das células para os pulmões, para ser expirado. Os glóbulos brancos são responsáveis pelo sistema de defesa do organismo e as plaquetas são parte do sistema de coagulação do sangue.
Estes componentes do sangue são renovados constantemente e a Medula Óssea é a encarregada pelo processo. Importante ressaltar que as células plasmáticas também estão presentes na Medula Óssea. Elas fazem parte dos sistema imunológico do corpo e assim como as hemácias, os leucócitos e as plaquetas são produzidas na Medula Óssea, só que em menor quantidade representando menos que 5% das células produzidas.
O transplante de medula óssea é indicado para enfermidades que afetam o funcionamento da medula óssea, como doenças hematológicas, onco-hematológicas (leucemias e linfomas), imunodeficiências, genéticas hereditárias, alguns tumores sólidos e doenças auto-imunes. O tratamento por meio do transplante tem o objetivo de substituir a medula óssea doente, ou deficitária, por células normais de medula de um doador sadio, com o objetivo de regenerar a do paciente.

#sejadoador 

terça-feira, 12 de abril de 2016

O Linfoma possui um alto índice de cura!!!!!



Linfoma de Hodgkin (LH)




Os linfomas, de maneira geral, são tipos de câncer que têm início nos linfonodos (gânglios ou nódulos do tamanho de um grão de feijão) ou tecidos do sistema linfático – em alguns casos podem se originar também em órgãos como estômago e intestino. Para entender melhor: o sistema linfático é uma rede de vasos e estruturas (linfonodos) que abrigam diversas populações de linfócitos (como linfócitos B e T), que produzem anticorpos naturais para combater infecções. A doença acontece quando um linfócito tem seu DNA modificado e começa a se multiplicar sem controle, resultando em um acúmulo dessas células, formando massas tumorais. O perigo maior é quando a doença avança, se dissemina para outros órgãos e atinge a medula óssea. Os tipos de linfoma são linfoma de Hodgkin (LH) e linfoma não Hodgkin (LNH). 
A diferença entre os diversos tipos de LNH e o linfoma de Hodgkin está nos grupos de células acometidas: enquanto o LNH apresenta grupos lotados de células cancerosas, o de Hodgkin apresenta um número relativamente baixo de linfócitos B doentes (apenas desse tipo) misturados a demais subtipos de células saudáveis. E a boa notícia é que as chances de cura são maiores na comparação com outros linfomas: os de Hodgkin têm índices de remissão que podem chegar a 90%.
Após o diagnóstico de linfoma de Hodgkin, com exames em mãos, o médico classifica o estadiamento da doença:
Estágio I: quando há apenas um único grupo de linfonodos acometido ou um único órgão linfoide acometido.
Estágio II: quando estão envolvidos dois ou mais grupos de linfonodos do mesmo lado do diafragma.
Estágio III: quando os grupos de linfonodos acometidos estão em posições diferentes (acima e abaixo) do diafragma.
Estágio IV: quando estão envolvidos linfonodos e outros órgãos (como pulmões, fígado, ossos) e/ou medula óssea.
Além disso, há as classificações de sintomas A (quando há ausência de febre, suor e perda de peso) e B (com pelo menos um desses sintomas). Os pacientes com sintomas B recebem tratamento mais intensivo.
Você pode ainda ouvir falar que o linfoma de Hodgkin tem dois tipos: LH clássico e LH predominância linfocítica, com tratamentos diferentes. Em relação ao LH clássico, ele é classificado conforme as características do linfócito B doente, mas saiba que há poucas diferenças na maneira de tratá-los. Os tipos de LH clássico são esclerose nodular (mais comum, em pacientes mais jovens como adolescentes e adultos jovens, começando pelo pescoço e metade superior do corpo), celularidade mista (segundo tipo mais comum, acomete mais crianças e idosos), rico em linfócitos (em adultos mais velhos, na maioria das vezes na metade superior do corpo), e depleção linfocitária (forma menos comum que atinge pessoas mais idosas, afetando primeiramente os gânglios linfáticos do abdome, baço, fígado e medula óssea).
Se você foi diagnosticado com linfoma de Hodgkin, saiba que até os estágios mais avançados são curáveis! Para se sentir mais confiante, tenha uma boa conversa com seu médico, pergunte tudo o que quiser saber, fique por dentro dos avanços e pesquisas da medicina e conte com a Abrale para tirar dúvidas e conhecer os seus direitos!
* Curiosidade: a doença leva o nome de um médico britânico, Thomas Hodgkin, que a descreveu em 1832. A classificação de linfoma veio depois de 170 anos desse relato, pois foi só então que se atestou a origem do câncer a partir dos linfócitos.

(Abrale)

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

UMA TATUAGEM ..... E UM DOADOR!!!!



Você quer fazer uma tatuagem? Maquiagem definitiva?  Então precisa de algumas informações caso seja doador de sangue.

Ou caso tenha o desejo de ser doador de sangue e de medula óssea! 

Hoje o prazo para ser um doador para quem fez uma tatuagem ou maquiagem definitiva é de 1 ano. Já chegou a ser de 10, devido a falta de assepsia e utilização de técnicas muito precárias.
Nada temos contra uma tatuagem ou maquiagem definitiva, mas, infelizmente, há casos de transmissão de algumas doenças através desses procedimentos.
É apenas uma questão de segurança, afinal não dá para saber se uma tatuagem ou maquiagem definitiva foi feita de maneira segura e com assepsia.
Então... esse tempo de espera é suficiente para  revelar se houve ou não contaminação pelo vírus da hepatite ou HIV,  por exemplo.
A pessoa pode não ter manifestado ainda a doença, porém  o teste pode dar positivo e o sangue não servir para doação.
As pessoas passam por uma triagem para informar há quanto tempo fizeram a tatuagem, por exemplo.  Antes as equipes de triagem ficavam muito inseguras em casos como esses. Mas isso mudou.... Até porque um dos objetivo da triagem é a proteção do doador e do receptor.
É lá que os interessados em doar, sangue ou medula, obtém informações importantes para suas vidas e sobre os seus hábitos. Para garantir a segurança das doações. As informações prestadas são fundamentais para a segurança dos pacientes.

Pois bem, a colocação de piercing também requer os seus cuidados, que valem a pena ressaltar:

** se feito em local sem condições de avaliar a assepsia, aguardar 12 meses após a realização
** se feito com material descartável e em local apropriado, aguardar 6 meses após a realização
** se feito na mucosa oral ou genital, não poderá doar enquanto estiver com o piercing, ou seja, inapto. Se fizer a retirada do mesmo, aguardar 12 meses após a retirada. 

SEJA DOADOR DE MEDULA ÓSSEA. VOCÊ PODE SALVAR A VIDA DE ALGUÉM!!!!


Informações baseadas na postagem de Magda Uduvic! Devidamente autorizada a utilização no blog :) 


domingo, 6 de dezembro de 2015

DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA! Neste Natal, seja o amigo secreto de alguém!!! E por toda a vida você receberá o presente da gratidão!



Vou postar novamente informações sobre a doação de medula óssea, para ver se mais pessoas fiquem informadas. O procedimento é simples e é tão importante  salvar a vida de uma pessoa que vive em constante sofrimento!
Espero que Deus ilumine o ato de doar, que plante nos corações das pessoas esse amor ao próximo!

O que é medula óssea?
É um tecido líquido-gelatinoso que ocupa o interior dos ossos, sendo conhecida popularmente por ‘tutano’. Na medula óssea são produzidos os componentes do sangue: as hemácias (glóbulos vermelhos), os leucócitos (glóbulos brancos) e as plaquetas. As hemácias transportam o oxigênio dos pulmões para as células de todo o nosso organismo e o gás carbônico das células para os pulmões, a fim de ser expirado. Os leucócitos são os agentes mais importantes do sistema de defesa do nosso organismo e nos defendem das infecções. As plaquetas compõem o sistema de coagulação do sangue.

O que é transplante de medula óssea?
É um tipo de tratamento proposto para algumas doenças que afetam as células do sangue, como leucemia e linfoma. Consiste na substituição de uma medula óssea doente, ou deficitária, por células normais de medula óssea, com o objetivo de reconstituição de uma nova medula saudável. O transplante pode ser autogênico, quando a medula vem do próprio paciente. No transplante alogênico a medula vem de um doador. O transplante também pode ser feito a partir de células precursoras de medula óssea, obtidas do sangue circulante de um doador ou do sangue de cordão umbilical. 

Quem pode doar?

  • Qualquer pessoa que tenha entre 18 e 55 anos, e que esteja em bom estado geral de saúde. A única restrição é para quem fez tratamento de radioterapia ou quimioterapia, ou ser HIV positivo. Quer dizer, se você tem anemia, diabetes, colesterol, etc, não tem problema. Pode procurar o hemocentro mais próximo e cadastrar-se normalmente.
  • Será retirada por sua veia uma pequena quantidade de sangue e preenchida uma ficha com informações pessoais.
  • Seu sangue será tipificado por exame de histocompatibilidade (HLA), que é um teste de laboratório para identificar suas características genéticas que podem influenciar no transplante. Seu tipo de HLA será incluído no cadastro e seus dados serão cruzados com os dos pacientes que precisam de transplante de medula óssea constantemente. Se você for compatível com algum paciente, outros exames de sangue serão necessários.
  • Se a compatibilidade for confirmada, você será consultado para confirmar que deseja realizar a doação.
  • ANTES DE SE CADASTRAR TENHA CONSCIÊNCIA DE QUE O ATO DA DOAÇÃO PODE SALVAR UMA VIDA!!! EM ALGUNS CASOS O TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA É A ÚNICA ESPERANÇA DE CURA PARA DOENÇAS HEMATOLÓGICAS.
 Como é o transplante para o doador?
Quando for confirmada a compatibilidade,  o doador faz um rigoroso exame clínico incluindo exames complementares para confirmar o seu bom estado de saúde. Não há exigência quanto à mudança de hábitos de vida, trabalho ou alimentação. A doação é feita em centro cirúrgico, sob anestesia, e tem duração de aproximadamente duas horas. São realizadas múltiplas punções, com agulhas, nos ossos posteriores da bacia e é aspirada a medula. Retira-se um volume de medula do doador de no máximo 15%. Esta retirada não causa qualquer comprometimento à saúde. 

Quais os riscos para o doador?
Os riscos são poucos e relacionados a um procedimento que necessita de anestesia, sendo retirada do doador a quantidade de medula óssea necessária (máximo 15%). O procedimento de doação requer internação de 24 horas. Dentro de poucas semanas, a medula óssea do doador estará inteiramente recuperada. Uma avaliação pré-operatória detalhada verifica as condições clínicas e cardiovasculares do doador visando orientar a equipe anestésica envolvida no procedimento operatório.

Onde você pode se cadastrar?
Nos bancos de sangue ou Hemocentros da sua cidade.

Que Deus abençoe a todos!!!
Um Feliz Natal e um Ano Novo com muita saúde e paz!